Religião tem o mesmo efeito no cérebro que sexo e drogas, aponta pesquisa

Praying Hands in Flames


À primeira vista, sexo drogas e rock and roll têm pouco a ver com religião. Mas, na prática, as coisas estão bem conectadas. Um novo estudo da Universidade de Utah, em Salt Lake City, nos Estados Unidos comprovou que transar, se drogar, ouvir música e rezar ativam as mesmas regiões do cérebro.

Para chegar a essa conclusão nada ortodoxa, os pesquisadores analisaram a atividade cerebral de 19 jovens mórmons que vão frequentemente à igreja e que já atuaram como missionários religiosos. O estudo foi publicado recentemente na revista Social Neuroscience.

No laboratório, os cientistas simularam práticas religiosas e escanearam o que acontecia no cérebro dos adolescentes. Através de exames de ressonância magnética, foi possível perceber que enquanto eles estavam lendo textos sacros e se sentindo espiritualmente plenos, um local do cérebro chamado núcleo accumbens foi ativado. Essa região funciona como nosso centro de recompensa e está associada a vícios como drogas, jogos de azar e sentimentos de amor fraternal e romântico. Ou seja, a área do cérebro que você ativa quando abraça sua mãe é a mesma de quando você se droga, come uma comida que queria muito ou faz uma oração.

A comoção religiosa dos mórmons no momento do estudo também foi notada na região do córtex pré-frontal, uma parte do cérebro que age diretamente nas decisões lógicas e em como as pessoas se comportam socialmente. Inclusive, este é o local onde nossos julgamentos morais são processados. Outro aspecto que chamou a atenção dos pesquisadores foram os batimentos cardíacos acelerados e a mais respiração pesada dos voluntários.

Os resultados sugerem que passar por uma experiência religiosa pode interferir tanto no nosso pensamento e raciocínio quanto interfere quando estamos apaixonados ou lutando para largar um vício. Será esse um dos mistérios da fé?

Escreva Um Comentário