Por que os seres humanos não hibernam?

Muitos de nós nos sentimos um pouco mais sonolentos no inverno, mas outras espécies vão além e decidem passar os meses mais frios em sono profundo – o processo conhecido como hibernação. E não estamos falando apenas de ursos – todos os tipos de animais, de insetos a primatas, hibernam. Parece fazer-lhes bem.

Mas enquanto os humanos por vezes optam passar o dia debaixo das cobertas quando os dias ficam mais curtos e frios, nós não podemos passar longos períodos na cama. Algo que à primeira vista parece muito injusto, especialmente se é benéfico para outras espécies. Por que não hibernamos também?

Para descobrir isso, primeiro precisamos descobrir a razão pela qual abelhas e morcegos, por exemplo, caem em sono de meses.

A mais óbvia, claro, é evitar o frio. A hibernação é um período extenso de torpor designado para conservar energia. O corpo desacelera: respiração, metabolismo e batimentos cardíacos diminuem. E faz todo o sentido que isso ocorra no inverno, pois essa é a estação de clima mais desafiador, em que menos plantas crescem e há menos alimento disponível.

‘Palpites’

Por isso, muitos animais se empanturram no verão para viver apenas de reservas gordurosas no corpo durante a hibernação.

Não é muita surpresa que casos de hibernação sejam muito mais frequentemente encontrados no hemisfério Norte. A maior parte da terra firme no hemisfério Sul fica próxima à linha do Equador, onde os invernos são menos rigorosos. Mas espécies vivendo em climas mais quentes também hibernam, como um tipo de lêmure que vive em Madagascar e o porco-espinho sul-africano, que tem habitat em Angola e Zimbábue, por exemplo.

E mais: nem sempre a hibernação é confinada aos meses frios. No ano passado, um estudo feito com arganazes (um tipo de roedor) descobriu que eles continuavam hibernando mesmo depois de o frio passar. Alguns passaram nada menos que mais de 11 meses debaixo da terra, o mais longo período já observado na vida selvagem.

hibernam2

“Trata-se de uma ausência notável”, diz Claudia Biber, veterinária da Universidade de Viena. Na área analisada pelo estudo, fez frio por apenas de quatro a cinco meses. “Obviamente, então, há outras razões para uma hibernação tão longa”.

Um motivo crucial parece ser o comportamento das espécies europeias de faias. Essas árvores por vezes têm anos em que produzem mais sementes que o normal. Os roedores se alimentam delas e, segundo o estudo, conseguem prever se haverá ou não mais comida. E ficam quietinhos se é um ano de escassez.

Embora contem com outras fontes de alimentação, os arganazes têm nas sementes de faia um alimento fundamental. “Eles podem comer frutas, como maçãs, para sobreviver. Mas não para se reproduzir ou para os filhotes ganharem gordura”, diz Bieber.

Outra razão para os bichos ficarem escondidos é bem mais óbvia: predadores.

Ao ficar escondido, o arganaz evita a atenção indesejada de aves de rapina e corujas. “O arganaz dormindo debaixo da terra sequer emite odores, então fica muito difícil localizá-lo”, completa a pesquisadora.

Espécies de borboleta do sul da Espanha fazem algo semelhante. Suas pupas entram em torpor por três meses no verão, em um processo conhecido como estivação. Um estudo de 2014 descobriu que o expediente as ajudava a evitar que vespas atacassem suas massas de ovos.

hibernam3

“Até bem recentemente, as pessoas acreditavam que a hibernação era apenas uma medida de economia de energia e uma defesa contra o clima frio e a escassez de alimentos. Agora acreditamos que isso tem muito a ver também com evitar predadores”, diz Thomas Ruf, também veterinário da Universidade de Viena.

“Sabemos que a taxa de sobrevivência em hibernações é próxima de 100%”.

Independentemente de qual razão é a mais importante, a hibernação parece transformar a maneira como os animais vivem. Alguns dos arganazes estudados por Bieber e Ruf chegaram aos 12 anos de idade, algo extraordinário para uma espécie de roedor que costuma viver apenas três.

“Graças à hibernação, os roedores evitaram predadores e com isso puderam investir na manutenção de sua saúde, até no reparo de células”, diz Ruf.

De fato, em pesquisas realizadas em 2011, a equipe de Viena descobriu que hibernantes vivem mais devagar, investem mais em sobrevivência e, como consequência, vivem mais tempo. “Todos os hibernantes reduzem sua taxa de reprodução e aumentam sua longevidade”, completa Bieber.

Porém, isso significa que a hibernação pode afetar ecossistemas inteiros, alterando as taxas reprodutivas de animais e forçando predadores a buscar presas alternativas. Se temos alguma ideias sobre como e por que a hibernação evoluiu, ainda não há menor noção de quando isso começou a acontecer.

“Não temos qualquer prova vinda de fósseis, apenas especulação”, diz Ruf.

hibernam4

Alguns especialistas já argumentaram que dinossauros vivendo próximo ao Polo Norte podem ter hibernado para sobreviver aos longos invernos. Porém, a hibernação regular normalmente deixa traços nas microestruturas de ossos de animais, e um estudo de 2011 sobre fósseis de dinossauros polares não encontrou qualquer evidência disso.

Ainda assim, Biber estima que a hibernação e o torpor são claramente práticas de milhões de anos. Por exemplo, todos os três principais grupos de mamíferos desenvolveram essas técnicas – e esses grupos surgiram há dezenas de milhões de anos. Isso sugere que pelo menos alguns animais dos quais o homem descende eram capazes de hibernar.

No entanto, nós perdemos habilidades fundamentais nesse quesito. Nossos corações, por exemplo, não funcionam se ficarem muito frios. Eles contraem em resposta à presença de cálcio e se há muito em volta, temos um ataque cardíaco. Abaixo de uma certa temperatura, o coração não consegue remover o excesso de cálcio.

Espaço

“Um coração humano vai parar se esfriar para menos de 28 graus”, afirma Ruf.

Em comparação, os corações de hibernantes ainda podem bater a uma temperatura corporal de 1 grau Celsius. Os órgãos desses animais, segundo Ruf, têm bombas especiais para remover o cálcio. Mas por que os corações humanos carecem delas? Nosso estilo de vida pode ser um fator-chave.

hibernam5

Humanos evoluíram na África Equatorial, em plenos trópicos, onde há um fluxo constante de alimento. Isso significa, pelo menos na teoria, que desde cedo não precisamos hibernar para escapar condições inóspitas. O problema é que os cientistas vêm descobrindo mais e mais espécies tropicais que caem em torpor. Ruf, por exemplo, que uma espécie de primata africano, o lóris-pigmeu, pode hibernar por períodos de até 63 horas entre dezembro e fevereiro.

Esse animal é da mesma família de macacos e homens. Até bem pouco tempo sabia-se que apenas três primatas hibernavam, todas elas espécies de lêmures vivendo em Madagascar. O lóris-pigmeu vive na Ásia, então a descoberta de sua hibernação indicam que o hábito era mais disseminado do que se esperava.

Isso significa que nossa origem tropical provavelmente reduziu as chances de que pudéssemos desenvolver a habilidade para hibernar, mas não as teria impossibilitado. O mais determinante talvez tenha sido o fato de nós humanos sermos predadores capazes de atacar animais muito maiores. Provavelmente nunca tivemos a necessidade de escapar da ameaça de predadores.

Isso sem falar que a hibernação oferece desvantagens teóricas para humanos: animais que hibernam sofrem reduções de imunidade, o que aumenta o risco de infecções. O processo também afeta a memória. Em 2001, Eva Millesi, outra pesquisadora da Universidade de Viena, treinou grupos de esquilos para andar por um labirinto. Os animais que tinham hibernado simplesmente esqueceram o caminho.

Isso, porém, não impede que cientistas estudem formas de hibernação humana. O motivo? A possibilidade de viagens interplanetárias. Ron Henning, da Universidade de Groningen, na Holanda, trabalha com a Nasa, a agência especial americana justamente em um projeto desse tipo.

hibernam6

Henning argumenta que a hibernação oferece dois benefícios-chave: primeiro, reduziria o volume de suprimentos necessários que a espaçonave precisaria carregar na viagem. Segundo, protegeria a saúde dos astronautas.

“Um dos maiores incômodos para astronautas em estações espaciais é que eles precisam fazer seis horas de exercício por dia para evitar que ossos e músculos atrofiem nas condições de gravidade zero. É algo ainda mais desagradável porque o ar está cheio de dióxido de carbono e a temperatura é de pelo menos 30 graus”, explica o holandês.

“Se os astronautas hibernassem, não precisariam dessa rotina. Animais que dormem por seis meses não sofrem nenhuma perda muscular ou osteoporose”, completa.

Há outra razão: a hibernação poderia proteger os astronautas dos efeitos da radiação. “Há estudos sugerindo que isso é possível”, conta Henning. Em viagens espaciais, astronautas são bombardeados por raios cósmicos. Atualmente, humanos só podem ficar no espaço por mais ou menos um ano, ou o risco de câncer cresce incrivelmente.

hibernam7

“Se conseguíssemos criar uma hibernação, isso poderia aumentar incrivelmente a duração de missões”.

Também poderia ajudar as perspectivas de colonização espacial. “Na realidade, ainda não é possível procriar no espaço, pois óvulos e espermatozoides seriam danificados e resultariam em embriões defeituosos”, explica o holandês.

Ele e Ruf, porém, acreditam que o problema será ultrapassado. “Se desvendarmos os mecanismos neurológicos, poderemos algum dia colocar humanos em hibernação. Sabemos que lêmures de Madagascar são hibernantes, então poderemos mapear geneticamente o mecanismo de hibernação”.

Naturalmente, será preciso resolver problemas como a perda de memória. “Não adianta colocarmos astronautas para dormir para depois eles acordarem sem saber quem são ou onde estão”, explica Ruf.

Mesmo mimetizar alguns dos processos já poderia ser de grande valia para seres humanos, em especial na área de saúde. Quando um animal hiberna, seus órgãos parecem doentes. Pulmões parecem asmáticos e cérebros exibem sinais do mal de Alzheimer. Porém, quando os animais acordam, eles revertem essas mudanças e tudo volta ao normal.

hibernam8

Um estudo de 2008 revelou que ursos polares não perdem massa óssea durante a hibernação – o único mamífero capaz disso até agora. Não sabemos por que, mas o mecanismo pode guardar o segredo do tratamento da osteoporose em humanos.

O laboratório farmacêutico Sulfateq está pesquisando o que classifica como “substâncias químicas baseadas nos efeitos protetores do mecanismo de hibernação”. Uma dessa substâncias, o SUL-121, já foi testada como possível tratamento para a doença obstrutiva pulmonar crônica (DOPC).

Esses tratamentos ainda estão ou no plano teórico ou nos primeiros estágios de desenvolvimento. Mas sugerem que a hibernação pode trazer benefícios para nós, mesmo que não consigamos desenvolver o processo naturalmente.

Fonte: bbc

Escreva Um Comentário