Mulher, O Pneu Furado e a Mulher Moderna – Histórias Engraçadas

Ela teve que ficar até mais tarde no trabalho por causa de um relatório de diretoria que não poderia ficar para o dia seguinte de jeito nenhum. Com muito esforço o relatório foi concluído. Por causa disso, ela só conseguiu sair da firma lá pelas oito horas da noite. Quando foi pegar o carro ela viu que o pneu estava murcho.

O desespero foi total. E agora, o que fazer? Pensou ela. O marido estava viajando e não tinha como contar com ninguém na firma, todos já tinham ido embora. O que fazer?

Ela se lembrou de uma colega sua que teve que trocar o pneu numa situação bem parecida e pensou: Se a Flavinha que é bem mais magrinha e mais fraquinha do que eu conseguiu, por que cargas d’água eu não haveria de conseguir? Mãos à obra, eu também conseguirei.

Ela pegou tudo direitinho, macaco, chave de roda e o estepe. E por falar em estepe, ela queria matar a pessoa que tinha apertado aquele parafuso daquele jeito, se ela pudesse ela enfiava a mão na cara do sujeito só para ele ver as duas unhas lindas e maravilhosas que ela tinha quebrado tentando tirar o parafuso que prendia o estepe.

Depois de sofrer para soltar o pneu ela teve que levá-lo até o lugar onde seria feita a troca. Levando o pneu rodando com a mão na hora de fazer o contorno no carro o pneu virou e Pimba! caiu no pé dela!

  • Aiiiiiiiiiiii! Deu um grito alto e começou a pular feita pipoca em óleo quente. Foi cada palavrão. A moça xingou todo mundo que tinha direito e mais um pouco. Depois que a dor passou, já bem arrependida de ter tido aquela estúpida atitude de trocar aquela coisa, aquilo era coisa de homem.

Tentou manter o foco na troca do bendito pneu. Ela ia conseguir! A Flavinha conseguiu. Por que ela não haveria de conseguir.

Só para descobrir como funcionava o macaco foram uns dez minutos e outros cinco para descobrir onde é que colocava aquela coisa.

Bem, macaco no lugar. Carro levantado e lá foi ela tentar soltar a roda. Chave de roda na mão, ela encaixa a chave para poder soltar os parafusos. Só um detalhe, com o carro levantado ela viu que não ia conseguir muita coisa não. Xingou o restante da turma que tinha escapado da primeira vez e depois abaixou o carro e foi tentar soltar os parafusos.

A Flavinha conseguiu! A Flavinha conseguiu! Pensava ela enquanto tentava soltar os malditos parafusos que pareciam soldados na maldita roda.

Hummmm! Hummmm!

A Flavinha que ia se danar! Ela ia deixar aquele negócio prá lá, pegar um táxi, ir prá casa. Amanhã ela ia ver o que ia fazer.

Toda descabelada, com duas unhas quebradas, suja e suada, Lá foi ela para a avenida tentar achar um táxi.

Escreva Um Comentário