Mulher estupra homem no meio de rua de SP por achar ele gato demais

mulher-estupra-homem-no-meio-de-rua-de-sp-por-achar-ele-gato-demais


Um estudante bonitão teve um problema bem estranho na última terça-feira, 01. De acordo com o portal de notícias G1, o rapaz de 21 anos descia do ônibus em Praia Grande, no litoral de São Paulo,quando foi abordada por uma mulher completamente fora de si. A polícia ainda não identificou quem seria a suspeita, mas sabe que ela estuprou o homem no meio da rua. A suspeita disse ao rapaz que tinha acabado de levar um ‘não’ do companheiro e que seu relacionamento acabou. No intuito de desafogar as mágoas, ela intimou o estudante a transar com ela. Do contrário, a moça o acusaria de estupro. Com medo, o bonitão acabou topando.

Nesta sexta-feira, 04, segundo o G1, a polícia passou o dia colhendo depoimentos que possam ajudar a esclarecer o #Crime. O objetivo dos investigadores é saber o real fato, como tudo realmente aconteceu. Para isso, câmeras de segurança da região podem ser utilizadas. Acredita-se que elas possam mostrar a atitude da mulher. De acordo com a vítima, inicialmente, a estupradora queria que o sexo acontecesse na casa dela, mas com muita vontade de fazer o ato, acabou o obrigando a ter relações sexuais no meio da rua. O jovem agora está com medo de pegar uma doença sexualmente transmissível, já que a camisinha que ele utilizou acabou estourando.

Estudante de 21 anos passou apuros

A polícia revela que esse tipo de caso não é nem um pouco comum. O estudante decidiu registrar o caso depois que se abriu com a mãe. O delegado que cuida do caso, Alexandre Comin, confirmou a acusação de estupro. A lei, tanto para o homem, quanto para mulher abusadora, não difere tanto. A questão é que homens estuprados, especialmente por mulheres, é uma raridade. Aos 21 anos, o estudante teve que tomar um coquetel de remédios para evitar pegar o vírus HIV. A vítima disse que a mulher que o abordou parecia bêbada e que teve medo de não aceitar o sexo e acabar preso, já que ele era o homem e a polícia costuma considerar mais a palavra das mulheres, quando essas acusam alguém de abuso sexual.

Escreva Um Comentário