Maiores Físicos da História

Galileu Galilei

 

Grande Físico, Matemático e Astrônomo, Galileu Galilei nasceu na Itália no ano de 1564. Durante sua juventude ele escreveu obras sobre Dante e Tasso. Ainda nesta fase, fez a descoberta da lei dos corpos e enunciou o princípio da Inércia. Foi um dos principais representantes do Renascimento Científico dos séculos XVI e XVII.

        Galileu foi o primeiro a contestar as afirmações de Aristóteles, que, até aquele momento, havia sido o único a fazer descobertas sobre a física. Neste período ele fez a balança hidrostática, que, posteriormente, deu origem ao relógio de pêndulo. A partir da informação da construção do primeiro telescópio, na Holanda, ele construiu a primeira luneta astronômica e, com ela, pôde observar a composição estelar da Via Látea, os satélites de Júpiter, as manchas do Sol e as fases de Vênus. Esses achados astronômicos foram relatados ao mundo através do livro Sidereus Nuntius (Mensageiro das Estrelas), em 1610. Foi através da observação das fases de Vênus, que Galileu passou a enxergar embasamento na visão de Copérnico (Heliocêntrico – O Sol como centro do Universo) e não na de Aristóteles, onde a Terra era vista como o centro do Universo.

Por sua visão heliocêntrica, o astrônomo italiano teve que ir a Roma em 1611, pois estava sendo acusado de herege. Condenado, foi obrigado a assinar um decreto do Tribunal da Inquisição, onde declarava que o sistema heliocêntrico era apenas uma hipótese. Contudo, em 1632, ele voltou a defender o sistema heliocêntrico e deu continuidade aos seus estudos.

Muitas idéias fundamentadas por Aristóteles foram colocadas em discussão por indagações de Galilei. Entre elas, a dos corpos leves e pesados caírem com velocidades diferentes. Segundo ele, os corpos leves e pesados caem com a mesma velocidade.

Em 1642, ele morreu cego e condenado pela Igreja Católica por suas convicções científicas. Teve suas obras censuradas e proibidas. Contudo, uma de suas obras (sobre mecânica) foi publicada mesmo com a proibição da Igreja, pois seu local de publicação foi em zona protestante, onde a interferência católica não tinha influência significativa. A mesma instituição que o condenou o absolveu muito tempo após a sua morte, em 1983.

 

 Isaac Newton

Isaac Newton nasceu em Londres, no ano de 1643, e viveu até o ano de 1727. Cientista, químico, físico, mecânico e matemático, trabalhou junto com Leibniz na elaboração do cálculo infinitesimal. Durante sua trajetória, ele descobriu várias leis da física, entre elas, a lei da gravidade.

Este cientista inglês, que foi um dos principais precursores do Iluminismo, criou o binômio de Newton, e, fez ainda, outras descobertas importantes para a ciência. Quatro de suas principais descobertas foram realizadas em sua casa, isto ocorreu no ano de 1665, período em que a Universidade de Cambridge foi obrigada a fechar suas portas por causa da peste que se alastrava por toda a Europa. Na fazenda onde morava, o jovem e brilhante estudante realizou descobertas que mudaram o rumo da ciência: o   teorema binomial, o cálculo, a lei da gravitação e a natureza das cores.

Dentre muitas de suas realizações escreveu e publicou obras que contribuíram significativamente com a matemática e com a física. Além disso, escreveu também sobre química, alquimia, cronologia e teologia.

Newton sempre esteve envolvido com questões filosóficas, religiosas e teológicas e também com a alquimia e suas obras mostravam claramente seu conhecimento a respeito destes assuntos. Devido a sua modéstia, não foi fácil convencê-lo a escrever o livro Principia, considerado uma das obras científicas mais importantes do mundo.

Newton tinha um temperamento tranqüilo e era uma pessoa bastante modesta. Ele se dedicava muito ao seu trabalho e muitas vezes deixava até de se alimentar e também de dormir por causa disso. Além de todas as descobertas que ele fez, acredita-se que ocorreram muitas outras que não foram anotadas.

Diante de todas as suas descobertas, que, sem sombra de dúvida, contribuíram e também ampliaram os horizontes da ciência, este cientista brilhante acreditava que ainda havia muito a se descobrir. E, em 1727, morreu após uma vida de grandes descobertas e realizações.

Frases de Isaac Newton:

  • “Se vi mais longe foi por estar de pé sobre ombros de gigantes.”
  • “O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano.”
  • “Eu consigo calcular o movimento dos corpos celestiais, mas não a loucura das pessoas.”
  • “Nenhuma grande descoberta foi feita jamais sem um palpite ousado.”

 

Albert Einstein
       Albert Einstein,nasceu em 14 de Março de 1879 — Princeton, 18 de Abril de 1955) foi um físico teórico alemão radicado nos Estados Unidos.
100 físicos renomados o elegeram, em 2009, o mais memorável físico de todos os tempos.
       É conhecido por desenvolver a teoria da relatividade. Recebeu o Nobel de Física de 1921, pela correta explicação do efeito foto eléctrico; no entanto, o prémio só foi anunciado em 1922 . O seu trabalho teórico possibilitou o desenvolvimento da energia atômica, apesar de não prever tal possibilidade.
Devido à formulação da teoria da relatividade, Einstein tornou-se mundialmente famoso. Nos seus últimos anos, sua fama excedeu a de qualquer outro cientista na cultura popular: “Einstein” tornou-se um sinónimo de génio. Foi por exemplo eleito pela revista Time como a “Pessoa do Século”, e a sua face é uma das mais conhecidas em todo o mundo. Em 2005 celebrou-se o Ano Internacional da Física, em comemoração aos cem anos do chamado “Annus Mirabilis” (ano miraculoso) de Einstein, em que este publicou quatro dos mais fundamentais artigos cientifícos da física do século XX. Em sua honra, foi atribuído o seu nome a uma unidade usada na fotoquímica, o einstein, bem como a um elemento químico, o einstênio.
Leonardo da Vinci
Principais momentos da vida de Da Vinci
– Leonardo da Vinci nasceu em 15/04/1452, na localidade de Vinci (Itália)
– Foi um dos mais notáveis pintores do Renascimento e possivelmente seu maior gênio
– Atuou nas seguintes áreas: pintura, arquitetura, botânica, matemática, música, engenharia, anatomia, geologia, óptica
– Suas idéias científicas quase sempre ficaram escondidas em cadernos de anotações
– Estagiou no estúdio de Verrochio (importante artista da época), em Florença.
– Mudou-se para Milão em 1481, onde trabalhou para a corte de Ludovico Sforza.
– Leonardo trabalhou principalmente em Florença e tudo indica que nesta época tenha pintado a Monalisa.
– Convidado por Francisco I , viajou para a França em 1516, onde faleceu no ano de 1519.
Obras Mais Importantes: Monalisa, Última Ceia, Anunciação, Virgem dos Rochedos, O batismo de Cristo, A sagrada família e o cordeirinho.
Alessandro Volta

Alessandro Giuseppe Antonio Anastasio Volta, nasceu em 18 de fevereiro de 1745, em Como, Itália (que na época chamava-se Lombardia) e foi um dos grandes físicos do século XVIII tendo criado a pilha e provado que seu amigo e compatriota Luigi Galvani estava errado ao afirmar que a corrente elétrica só poderia ser gerada por seres vivos (ou mortos, como tentava fazer com suas experiências com sapos e rãs…).

Contam as histórias que Volta não era uma criança muito inteligente, chegando mesmo a ser considerado como deficiente mental por sua família, e que teria aprendido a falar apenas com quatro anos de idade. Mas ao quatorze anos já sabia o que queria ser: físico.

Depois de perder seu pai, aos sete anos, Alessandro Volta foi morar comum tio e começou a estudar em um colégio de jesuítas em Como. Mas ao contrário do que se esperava resolveu declinar da carreira eclesiástica para se dedicar ao estudo das máquinas e fenômenos elétricos que tanto o fascinavam tanto mais por serem ainda pouco conhecidos.

Aos dezesseis anos volta saiu do colégio jesuíta mas continuou a estudar embora como autodidata. Aos vinte e quatro anos publicou seu primeiro artigo sobre eletricidade que o tornou conhecido e possibilitou seu ingresso como professor de física na Escola Real de Como cinco anos depois.

Volta lecionou em Como até 1779, pouco depois de inventar o aparelho que o deixou famoso, o “eletrophorous” (1775), que armazenava cargas eletrostáticas por indução.

Em 1778, Alessandro Volta, que há dois anos dedicava-se ao estudo da química e da eletricidade atmosférica, descobriu o gás metano ao passear de barco pelo lago Maggiore e perceber que ao cutucar o fundo do lago com uma vara desprendia-se um gás que se armazenado em frascos podia ser queimado depois. Este gás, que Volta chamou de “ar inflamável dos pântanos”, era o metano (CH4) com o qual ele ainda realizaria alguns estudos que resultaram na criação de um dispositivo que mede a força de uma explosão (a “pistola de Volta”).

Em 1779 começou a dar aulas na Universidade de Pávia a convite do Conde Firmian, na matéria de Filosofia Natural (Física), onde determinou a partir de experimentos a “equação dos condensadores”.

Quando o amigo de Volta, Galvani, começou seus experimentos para tentar provar que a corrente elétrica era proveniente de seres biológicos iniciou-se uma disputa entre que ambos que resultou na descoberta, em 1794, por Volta de que os tecidos animais não eram, necessariamente, indispensáveis para geração de corrente. A disputa que pôs de um lado os defensores da “eletricidade animal” e de outro os defensores da “eletricidade metálica”, resultou na criação da primeira pilha, em 1800, por Volta, quando ele, finalmente provou estar certo.

A criação da bateria elétrica rendeu à Volta a nomeação de conde em 1801 pelas mãos do próprio Napoleão e um lugar no senado do Reino de Lombardia em 1810, tendo durante este tempo lecionado na Universidade de Paris.

Mais tarde Volta aperfeiçoou seu experimento dando origem a “bateria de Volta” (também chamada de “coroa de copos”) na qual ele conseguia obter tensões maiores do que a primeira invenção (ele media a intensidade das correntes colocando as mãos molhadas nas extremidades da pilha! Este fato ele mesmo relatou em uma carta à Royal Society de Londres, em 1800, onde relatava seus experimentos) .

Após a queda de Napoleão, Volta, que não era muito afeito à política foi acolhido pelo imperador austríaco que o tornou diretor da faculdade de filosofia da Universidade de Pádua onde permaneceu até 1819. De fato, Volta teve reconhecimento por seus trabalhos durante toda sua vida. Tornou-se membro da Royal Society de Londres em 1791 da qual recebeu a medalha Copley e ganhou ainda a medalha de “Honra da Legião” de Napoleão Bonaparte.

Alessandro Volta morreu em março de 1827 em sua cidade natal como um dos grandes pioneiros no estudo da eletricidade e o inventor de diversos instrumentos para medi-la.

Em sua homenagem foi dado o nome de “volt” à unidade para o potencial e tensão elétrica e o nome de “Cratera Volta” a uma cratera da superfície lunar em 1964.

Fontes
http://fisica.cdcc.sc.usp.br
http://paginas.fe.up.pt
http://www.voltimum.pt

Escreva Um Comentário