Isaquias Queiroz é bronze e ganha segunda medalha nos Jogos

A quinta (18) começou iluminada para o Brasil nos Jogos Rio 2016. Em uma prova impressionante, Isaquias Queiroz conquistou medalha de bronze da categoria C1 200m da canoagem velocidade, no Estádio da Lagoa. É a segunda medalha do canoísta nos Jogos Rio 2016. No domingo, o baiano de 22 anos ganhou a prata na categoria C1 1.000m.

Apenas quatro brasileiros antes dele haviam conseguido ir ao pódio duas vezes em uma mesma edição de Jogos: os nadadores Cesar Cielo (Pequim 2008) e Gustavo Borges (Atlanta 1996) e os atiradores Guilherme Paraense e Afrânio da Costa (ambos na Antuérpia 1920).

“É um feito histórico e uma satisfação muito grande entrar nesse álbum dos melhores atletas brasileiros nos Jogos Olímpicos. Estar ao lado de caras como o Cesar Cielo…estou muito feliz com esse resultado e espero fazer mais ainda e chegar a conquistar três medalhas”, disse o baiano de 22 anos.

Isaquias é só amor e faz um coração com a ajuda da medalha (Foto: Getty Images/Mike Ehmann)

Isaquias ainda pode ganhar uma inédita terceira medalha no sábado (20), dia da final da prova do C2 1.000m, ao lado de Erlon de Souza. O canoísta diz que os treinos em Lagoa Santa (MG) deixaram a dupla confiante. “Já fiz meu trabalho, já ganhei minhas medalhas, agora quero ajudar meu amigo Erlon de Souza a fazer história nos Jogos Olímpicos e ganhar uma medalha também. E uma de ouro, porque é essa que a gente merece”, disse.

A conquista do bronze nesta quinta teve ares dramáticos e só foi definida na linha de chegada. O brasileiro não largou bem, chegou a estar na sexta posição, mas mostrou força no fim. Arrancou de forma impressionante e chegou em terceiro com o tempo de 39s628, superando o espanhol Alfonso Ayala, que ficou em quarto com 39s649.

Isaquias revelou que, a princípio, achava ter falhado na meta de ir ao pódio. “Eu não sabia (que tinha conquistado bronze). Saí bem no sentido de não ter perdido muito tempo, mas logo depois acabei dando remada em falso”, explicou. “Se eu não tivesse errado poderia ter conquistado a medalha de ouro, mas os outros dois caras, o da Ucrânia e do Azerbaijão, foram melhores. Quando cheguei, joguei o barco. Não quis nem saber. Pensei: ‘Nossa, perdi a medalha!’. Dei um soco de raiva na água porque achei que tinha perdido”, contou.

A esperança surgiu quando os árbitros demoraram a colocar o nome do medalhista de bronze no placar. “Quando demorou para sair no telão, pensei: ‘Divulga logo que estou nervoso!’ E quando saiu fiquei feliz porque uma medalha de bronze é muito importante para o currículo do atleta, principalmente nos Jogos Olímpicos. É bom ganhar mais uma medalha e estar fazendo história na canoagem do Brasil”, disse.

Presença garantida nas provas de Isaquias no Rio 2016, sua mãe, Dilma Queiroz, e seus familiares mereceram carinho especial após a conquista de mais uma medalha.

“A família estava mais completa (do que quando ganhei a prata). Estava faltando um irmão meu que estava em São Paulo e o outro, que estava na Bahia. Tinha mais irmãos meus, meu sobrinho estava aí, além da minha mãe. Então fiquei muito feliz”.

A torcida que lotou o Estádio da Lagoa foi uma alegria extra. “Acho que nem na Hungria, onde o pessoal gosta muito de canoagem, ou na Alemanha estava assim. Então tinha de dar o meu melhor, meu máximo para fazer o brasileiro ficar feliz”.

Logo após a conquista da medalha Isaquias já anunciava que iria treinar à tarde. Diz não estar ansioso pela sua última prova. “Eu mantenho a tranquilidade. Durmo normal, tento não ficar ansioso. Evito falar de prova com as pessoas para não ficar pensando na prova. Prefiro manter a tranquilidade. É esperar chegar a hora e ver o que acontece”, revela.

As eliminatórias da prova de C2 1.000m acontecem nesta sexta (19).

Escreva Um Comentário