Isaquias e Erlon ganham prata e fazem história na canoagem velocidade do Brasil

Em uma prova disputadíssima, Isaquias Queiroz e Erlon de Souza levaram a prata na modalidade C2 1.000m da canoagem velocidade. Com o resultado, Isaquias conseguiu dois feitos inéditos: é o primeiro brasileiro e a conquistar três medalhas em uma mesma edição de Jogos Olímpicos e, ao mesmo tempo, o primeiro atleta da história da canoagem, entre os competidores de canoa, a terminar uma participação com três pódios.

“Eu queria ganhar uma medalha de ouro, mas a de prata é muito bem-vinda. O meu ouro veio do público, da torcida. Essa sim foi a melhor medalha que eu ganhei”, comemorou Isaquias ao fim da prova, ainda emocionado por ver a Lagoa Rodrigo de Freitas abarrotada de gente para torcer pelo Brasil.

“A gente sabe o que passou e o que passa no centro de treinamento. Quando chega numa reta final e vê que seu trabalho foi concluído, não dá para fazer outra coisa a não ser agradecer e se emocionar”, completou Erlon. Segundo o atleta, não há frustração por não ter ficado no lugar mais alto do pódio. “Isso não acontece porque eu briguei pelo ouro até o final”, explicou o canoísta, que promete lutar por mais em Tóquio 2020.

Brasileiros comemoram a prata ainda na água (Foto: Getty Images/Ezra Shaw)

A dupla brasileira liderou boa parte da prova, mas foi ultrapassada nos últimos metros e cruzou a linha de chegada na segunda colocação em 3min44seg819. Isaquias e Erlon, que são os atuais campeões do mundo, haviam se classificado em primeiro lugar e chegaram como favoritos ao Estádio da Lagoa. Quem atrapalhou os sonhos dourados dos brasileiros foi a dupla alemã Sebastian Brendel e Jan Vandrey, que fez uma arrancada final impressionante e chegou pouco menos de 1s antes dos brasileiros. É a segunda vez que Brendel é a pedra no sapato de Isaquias nestes Jogos. Na prova da canoa individual (C1) 1.000m, o alemão também tirou o ouro do brasileiro nas remadas finais.

O feito de Isaquias e Erlon nesta manhã coroa um desempenho histórico para a canoagem brasileira. Antes do Rio 2016, o esporte nunca tinha conquistado uma medalha em competições Olímpicas. Agora, o Brasil tem três numa só edição – duas de prata e uma de bronze, todas com a participação de Isaquias. Ao ganhar a prata na canoa individual (C1) 1.000m e o bronze no individual (C1) 200m, o baiano já tinha entrado para o seleto grupo de atletas brasileiros que receberam duas medalhas na mesma edição dos Jogos: os nadadores César Cielo (2008) e Gustavo Borges (1996), além dos atletas de tiro esportivo Afrânio da Costa (1920) e Guilherme Paraense (1920). Neste sábado (20), ele conquistou um feito inédito no esporte brasileiro.

Homenagem

O feito de conseguir três medalhas numa mesma edição dos Jogos rendeu a Isaquias a honra de ser o porta-bandeira do Brasil na cerimônia de encerramento dos Jogos, domingo, a partir das 20h.

Escreva Um Comentário