A fotografia feita por drones abre uma nova perspectiva para a aventura vertical

a-fotografia-feita-por-drones-abre-uma-nova-perspectiva-para-a-aventura-vertical

A paixão de Andy Mann por escaladas arrojadas e narrativas multimídia está galgando novos patamares desde que ele começou a usar o Yuneec Typhoon H com tecnologia Intel RealSense, um drone capaz de ver.

Ficar encurralado entre a cruz e a espada é o que Andy Mann mais gosta. Por pura satisfação, ele escala sem qualquer equipamento, agarrando os dedos das mãos e os pés nos cantos e fendas para escalar alguns dos penhascos mais íngremes que a Mãe Natureza tem a oferecer. Existem poucas coisas que este alpinista, mergulhador e explorador do Ártico de 36 anos goste mais de fazer do que desafiar a gravidade e até a morte… com exceção de captar e criar histórias visuais sobre a emoção dessas conquistas verticais.

Ele sai em busca de picos remotos com vistas espetaculares, que em geral são observados apenas do céu. Mann costumava captar imagens no solo ou quando estava agarrado a alguma rocha junto com outros alpinistas, mas sua criatividade foi liberada quando comprou seu primeiro drone equipado com câmera.

“Os drones são uma revolução para o meu tipo de trabalho”, disse.

Neste verão, Mann concordou em testar o Yuneec Typhoon H Pro, equipado com a moderníssima tecnologia de câmera 3D Intel RealSense, que permite que o drone enxergue e evite obstáculos.

Em parceria com a Yuneec e a Intel, Mann criou um vídeo para convidar fãs de drones a inscreverem suas ideias para um vídeo feito por drone e obter a chance de ganhar um drone(término em 30 de agosto).

Os drones expandem a amplitude poética de Mann e lhe oferecem elementos mais evocativos para contar histórias fascinantes. Mais conhecidos por fazer tomadas que começam junto ao objeto e depois ampliam nosso campo até uma visão de topo, os drones permitem que os cineastas utilizem grandes angulares, acompanhamento, tripé, sobrevoo do objeto e exibição de fotos de diferentes ângulos, imprimindo mais emoção a determinadas cenas.

“Poder dar aquele sentido de exposição na filmagem entre as montanhas é incrível.”

andy_mann_yuneec_typhone_h_Intel_realsense2

Mann gosta de fazer seu drone voar atrás, ao lado ou na frente do objeto da filmagem na altura dos olhos, movimentando-se na mesma velocidade que o objeto, especialmente em ambientes apertados. Isso dá aos espectadores uma sensação de estar flutuando e uma autêntica perspectiva do olho humano acerca das maravilhas da natureza.

“Adoro poder recuar um pouco na história com uma tomada aérea e revelar meu personagem dentro de uma paisagem mais ampla”, disse ele.

andy_mann_yuneec_typhone_h_Intel_realsense3

A fotografia de Mann já foi publicada na National Geographic Magazine, NG Adventure, Outsidee no New York Times. Partindo de sua casa perto de Boulder, Colorado, Mann viaja o mundo como diretor executivo da 3 Strings Productions, criando vídeos e documentários sobre as atividades humanas das aventuras radicais ao ar livre.

Seu fascínio pelas artes visuais começou quando era ainda menino, folheando livros de fotografia no escritório de artes gráficas onde sua mãe trabalhava.

“Foi somente aos 26 anos que botei o pé na estrada com uma câmera em tempo integral sem nunca olhar para trás.”

O contato com um drone ampliou sua imaginação sobre maneiras de captar perspectivas incríveis.

andy_mann_yuneec_typhone_h_Intel_realsense4

“É extremamente fácil de usar”, disse sobre o Typhoon H Pro.

“Basta acionar um botão (para ativar a tecnologia de visão RealSense). Pode-se ver o robô pensando enquanto examina seu ambiente e depois escolhe o melhor trajeto em torno de um objeto.”

Ele disse que com a tecnologia Intel RealSense ativada, o Typhoon não apenas reaje mas lembra do seu ambiente.

“Se ele evitar um obstáculo uma vez, lembrará a localização daquele obstáculo e automaticamente o evitará no futuro.” Isso é particularmente importante para mim, pois muitas vezes me encontro filmando em desfiladeiros estreitos.”

andy_mann_yuneec_typhone_h_Intel_realsense8

Mann necessita de um drone confiável, que possa levar para lugares remotos, como Groenlândia, Antártica, África e Peru.

“Preciso de algo leve, confiável, seguro e 4K”, acrescentou. “Sinto-me à vontade com o Typhoon.”

Após uma recente visita ao The Monastery, um local de escalada próximo a Boulder, com o alpinista profissional Jon Cardwell, Mann percebeu que aquele era o lugar perfeito para gravar uma sequência para seu vídeo narrado, “Upward Places“.

“São essas rochas de granito cujos espigões elevam-se a 30 metros rasgando o céu, com vista panorâmica para o Long’s Peak (4.300 m de altitude) ao fundo, mas não temos a sensação de onde nos encontramos enquanto estamos nos desfiladeiros”, disse ele.

O planejamento, clima favorável e excelente execução, tudo contribui para uma experiência memorável.

“Jon chegava ao topo de uma escalada 5.14 (classificação muito difícil) ao mesmo tempo em que o último raio de sol tocava a parte mais alta do paredão.”

andy_mann_yuneec_typhone_h_Intel_realsense7

Mann contou que sua grande amiga, a campeã mundial Sasha Digiulian, disse-lhe uma vez que seria incrível receber uma entrega de pizza no alto da montanha após um dia árduo de escaladas. Embora ainda não tenha usado um drone para isso, Mann utiliza-o regularmente para acompanhar novas escaladas e navegar por penhascos para encontrar caminhos com menos dificuldade.

“Penso que busca e salvamento seja um dos maiores benefícios da tecnologia dos drones,” disse.

Ele tem um conselho para todos os artistas que desejarem acrescentar um drone ao seu kit de ferramentas: usar um modelo que seja o mais cômodo possível para poder concentrar-se na execução de uma visão criativa em vez de ficar brigando com um equipamento com o qual não está familiarizado.

andy_mann_yuneec_typhone_h_Intel_realsense9

“Não tenha medo de colisões”, aconselhou. “Certamente vai acontecer se você for um piloto iniciante. Felizmente, na maior parte do tempo, só é necessário consertar as pás e você estará de volta aos céus em poucos minutos.”

Apesar de as novas tecnologias como a Intel RealSense tornarem os drones mais fáceis e mais seguros de pilotar, Mann não acredita que nem mesmo os drones mais avançados sejam a solução ideal para fazer vídeos excelentes.

“Se desejar ser um bom narrador, primeiro seja bom no solo”, explicou. “Tudo começa com um roteiro interessante. Depois passe para as fotos. O drone deve ser um dos muitos recursos (de competências e ferramentas da produção de filmes).”

andy_mann_yuneec_typhone_h_Intel_realsense10

Os drones evoluíram muito desde que Mann começou a utilizá-los há alguns anos.

 

fonte: http://iq.intel.com.br/

Escreva Um Comentário