Esporte Clube Bahia – História

Por volta de 1930, atletas de dois clubes, a Associação Atlética da Bahia e o Clube Bahiano de Tênis, resolveram fundar o Esporte Clube Bahia, que poucos anos depois tornou-se o mais popular do estado e do Norte e Nordeste do Brasil. Como a Assosiação Atlética e o Clube Bahiano desistiram da prática do futebol, os jogadores queriam continuar disputando torneios estaduais.

A reunião aconteceu num casarão na Avenida Princesa Isabel, onde discutiram estatutos, local para treinamento e problemas financeiros. Outra preocupação era também cativar o povo para torcer para o novo filiado da Liga Baiana de Futebol. Em 1931, os rapazes voltaram a se reunir em plena madrugada para fundar o Bahia, que no mesmo ano conquistou o Torneio Início e o Campeonato Baiano de Futebol.

Foto: Arquivo

Bahia campeão da Taça Brasil em 1959

A princípio, Antunes Dantas, do Clube Bahiano de Tênis, palpitou em colocar o nome de Atlético Baianinho, mas decidiram que teria o nome estadual. O primeiro presidente foi Waldemar Costa, um conhecido médico de Salvador. Baseado no distintivo do Sport Club Corinthians Paulista, apenas trocando a bandeira de São Paulo pela bandeira da Bahia, o distintivo foi desenvolvido por Raimundo Magalhães.

Durante muito tempo, o Bahia continuou sendo uma grande força no estado, porém, não reconhecida no Brasil por não haver um torneio nacional, até que foi criada a Taça Brasil. Em 1959, logo na primeira edição, o clube foi o grande campeão sobre o Santos do garoto Pelé. A equipe nordestina venceu duas das três partidas decisivas e ficou com a única vaga brasileira para a Copa Libertadores da América, sendo o primeiro representante do País no torneio continental. Esse título de 1959 só foi reconhecido pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol) em 2010.

A década de 1980 foi, seguramente, a mais vitoriosa da história do Bahia, pois foi nela que o Tricolor conquistou o seu segundo título nacional, em 1988, no já chamado Campeonato Brasileiro. Nas 31 oportunidades que disputou o torneio, suas melhores campanhas foram uma 4ª colocação em 1990 e uma 5ª em 1986, tendo terminado por 8 vezes entre os 10 melhores.

Foto: Arquivo

Bahia campeão de 1988 teve como principal destaque o atacante Bobô

No ano do título, a equipe foi comandada por Evaristo de Macedo e venceu o Internacional na final. Craques como João Marcelo, Charles Fabian, Bobô e Zé Carlos calaram os críticos e desafiaram a mídia, que dava como certa a conquista por parte dos gaúchos. A conquista garantiu vaga na Libertadores de 1989, onde obteve seu melhor resultado, chegando às quartas de final.

Após as conquistas do Campeonato Brasileiro de 1959 e 1988, o Bahia não conseguiu manter a estabilidade administrativa e sofreu um declínio. Em 1997, caiu para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro, retornando à elite em 2000. Em 2001 fez um ótimo Campeonato Brasileiro, chegando a se classificar às finais. No ano seguinte, os seguidos erros da diretoria resultaram numa nova queda de produtividade e finalmente em 2003 acabou sendo rebaixado mais uma vez.

Foto: Gazeta Press

Buraco na arquibancada do estádio Fonte Nova. Tragédia matou 7 pessoas em 2007

Em 2005, o Bahia foi, juntamente com seu arquirrival Vitória, rebaixado para a terceira divisão, após mais uma má administração do clube. Em 2007, o Bahia foi vice-campeão da Série C do Brasileiro, perdendo o título na última rodada, já classificado, tendo o vice-artilheiro da competição, com 19 gols – Nonato –, e retornou à Série B. No mesmo ano em que subiu de divisão, o clube perdeu o estádio da Fonte Nova com o desabamento de parte do anel superior que resultou na morte de 7 pessoas.

Os frutos da imensa reforma feito em seu Centro de Treinamento e a profissionalização de todos os setores do clube (atualmente, apenas o cargo de presidente não é remunerado) puderam ser colhidos em 2010.

Após 7 longos anos de angústia, no dia 13 de novembro, depois da vitória de 3 a 0 sobre a Portuguesa, o time garantiu o acesso à primeira divisão do Campeonato Brasileiro, quando terminou a Série B em 3º lugar com 65 pontos. Os grandes nomes do Tricolor foram o meio-campista Morais, os atacantes Adriano Michael Jackson e Jael, além dos bons laterais Ananias e Ávine.

Foto: AE

Adriano Michael Jackson foi um dos heróis do Bahia em 2010

 

FONTE: http://esporte.ig.com.br/

Escreva Um Comentário