Atlético de Madrid – História

A 26 de abril de 1903 nasce o Club Atlético de Madrid, fundado por 3 jovens bascos, que eram adeptos do Atlético de Bilbao e a 2 de Maio de 1903 a competição começa com um jogo realizado entre membros do próprio clube.

22 de Janeiro de 1911, marca o início da utilização das camisolas  Rojiblancas, dando origem à alcunha de «colchoneros», pela semelhança do uniforme com os colchões daquela altura e no dia 9 de Fevereiro de 1913, o Presidente D. Julián Ruete solicita a construção de um novo campo e assim surge o Campo de O’Donnell.

 

DADOS GERAIS

Nome: Atletico Madrid
Ano de formação: 1903
Estádio: Vicente Calderón
Localização: Madrid
Número de Títulos: 25
Competições Nacionais: 9 Campeonatos de Nacionais, 10 Taças de Espanha, 1 Supertaça de Espanha
Competições Internacionais: 2 Ligas Europa, 1 Taça das Taças, 2 Supertaças Europeia
Alcunha: Colchoneros, Indios

 

VITÓRIAS NOS TORNEIOS REGIONAIS E ATHLETIC AVIACIÓN DE MADRID (1921 – 1939):

A 23 de Janeiro de 1921, o Atlético vence o Campeonato Regional de Federação (zona centro), chegando assim à Divisão de Honra Nacional, o Campeonato de Espanha.

O Estádio Metropolitano foi inaugurado em 13 de maio de 1923, tornando-se a nova casa docolchoneros, com o pontapé de saída a ser dado pelo infante D. Juan de Borbón, perante 25.000 espectadores.

O Atlético venceu o Campeonato Regional em 1925 e 1928. No primeiro, derrotando o Gimnástica Española por 3-1 no Metropolitano e três anos mais tarde o rival Real Madrid, em Chamartín, por 1 a 3.

Em 1928, foi criada a La Liga, com o  Atlético de Madrid a ser convidado a participar, mas dois anos depois desceria à segunda divisão, para regressar em 1934.

Com a Guerra Civil espanhola, em 1936 foram suspensas de competições oficiais e quando o conflito terminou, o clube fundiu-se com a Aviação Nacional, a secção desportiva da força aérea, sob o novo nome Athletic Aviación de Madrid.

A AFIRMAÇÃO NACIONAL (1940 – 1961)

No início da década de 1940, conquistam-se os primeiros grandes triunfos na história do clube: os campeonatos de 1939/40 e 1940/41. Ricardo Zamora foi o homem que lançou a equipa para o topo.

Durante a década de 40, destacaram-se jogadores como Juncosa, Vidal, Silva, Campos eEscudero que formaram a famosa “delantera de seda” que encantou todos os adeptos do futebol. Nesta fase, o clube concretiza grandes contratações como Marcel Domingo,Carlsson ou Larbi Ben Barek para formar uma equipa lendária.

Com a chegada de Helenio Herrera ao banco colchonero, em 1949, o Atlético voltou a sagrar-se bicampeão, vencendo os campeonatos de 1949/50 e 1950/51.

Na temporada 1959/60, pela mão do treinador José Villalonga, o clube conseguiu a sua primeira Copa do Generalíssimo (atual Taça del Rey), derrotando o seu rival histórico, Real Madrid, no seu próprio estádio por 3-1. Por esta altura, brilhava na ala esquerda do Atlético a dupla Joaquín Peiró e Enrique Collar.

SUCESSO EUROPEU (1961–1969)

Na época 1961/62, o clube conseguiu chegar à sua primeira final internacional. Foi em Glasgow (Escócia), que os colchoneros defrontaram a Fiorentina na final da Taça Uefa, tendo empatado 1-1, necessitando, por isso, de recorrer ao jogo de desempate, em Estugarda, em que os espanhóis venceram por 3-0. Era o primeiro troféu europeu conquistado pelo Atlético.

Na temporada 1964/65, com D. Vicente Calderón na Presidência, veio para as vitrines do clube a terceira Taça do Generalíssimo, conquistada frente ao Real Zaragoza por 1-0, na final. No ano seguinte, na temporada de 1965/66, o Atlético voltava a vencer a Liga.

A 2 de outubro de 1966, é inaugurado o Estadio del Manzanares que, poucos anos mais tarde, em 1972, se passaria a chamar Estadio Vicente Calderón, assim se mantendo até aos dias de hoje.

CAMPEONATOS, TAÇAS E A TAÇA INTERCONTINENTAL (1970–1987)

A década de 1970 trouxe muitos motivos de satisfação para os fãs do Atlético de Madrid. Na temporada 1969/70, o conjunto  colchonero ganhou o seu sexto campeonato, pela mão do treinador francês e ex-jogador do Atlético, Marcel Domingo, com uma equipa com jogadores como: Rodri, Melo, Ovejero, Eusebio, Calleja, Irureta, Adelardo, Luis Aragonés, Alberto, Ufarte e Garate.

O ano de 1973 foi muito bem sucedido para o clube após a conquista da sétima liga da sua história com o alemão Merkel no banco como treinador. No ano seguinte, em 1974, o Atlético chegava à final da Taça dos Campeões Europeus, defrontando o Bayern de Munique, empatando 1-1 e dias mais tarde, sendo derrotado pelos alemães por 4-0.

Apesar da derrota na final da Champions, o Atlético teve a oportunidade de disputar a Taça Intercontinental com o Club Atlético Independiente de Avellaneda, uma vez que o Bayern de Munique se recusou a jogar, e não a deixou escapar. Apesar da derrota na primeira mão, o Atlético deu a volta na segunda e conquistou a Taça, com Luis Aragonés como o treinador.

Em 1976, o Atlético conquistava novamente a Taça do Rei e em 1977 conquistou o seu 8º campeonato nacional, título que teve um sabor especial por ter sido confirmado no Santiago Bernabéu, o estádio do rival Real Madrid. De resto, o Santiago Bernabéu seria novamente palco de uma vitória do Atlético Madrid, quando os colchoneros venceram a sua 6ª Taça do Rei.

JESÚS GIL Y GIL E PAULO FUTRE (1987–1993)

Em 1987, após a morte de Vicente Calderón, chega à Presidência do clube Jesús Gil e Gil com Paulo Futre como estrela do seu projeto de desportivo, e ambos marcariam uma época no clube.

No ano de 1991 o guarda redes, Abel Resino garante a invencibilidade da baliza “colchonera” durante 1.275 minutos sem sofrer um golo. Nesse mesmo ano, liderado por Margarete Santos Ovejero, o Atlético vence a Copa del Rey pela sétima vez. Um ano mais tarde, a 27 de junho de 1992, dirigido por Luis Aragonés, é conquistada a  oitava Copa depois de vencer o Real Madrid por 2-0, em pleno Estádio Santiago Bernabeu.

DO CÉU AO INFERNO (1994–1999)

A temporada de 1995/96 foi um dos mais importantes no clube, já que pela primeira vez na sua história é feita a “dobradinha” ao ganhar o campeonato e a Taça na mesma temporada, com Radomir Antic no comando técnico.

No entanto, poucos anos mais tarde, a época de 1999/2000 viria a revelar-se dramática para os colchoneros, que descerem de Divisão no final da temporada.

REGRESSO À LA LIGA E CONQUISTAS DA LIGA EUROPA (2000-…)

Depois de descer para a segunda divisão no final da temporada 1999/00, a equipa foi capaz de voltar à primeira Divisão em 2002, dirigida por Luis Aragonés. Na equipa destaca-se um jovem jogador da cantera chamado Fernando Torres, que rapidamente foi apelidado de “El Niño”, pelos estragos que causava nas defesas contrárias.

A 5 de Maio de 2010, o Atlético de Madrid, com Quique Sanchez Flores ao leme, tornou-se vencedor da recém criada UEFA Europa League, antiga Taça UEFA, numa final emocionante na Arena Hamburgo. O Atlético venceu o Fulham FC, 2-1 com dois golos do uruguaio Diego Forlán.

A 27 de Agosto de 2010, foi conquistada a primeira Supertaça Europeia depois de vencer o Inter de Milão, vencedor da Liga dos Campeões. O jogo foi realizado no Estádio Louis II no Mônaco e terminou com 2-0 para os colchoneros.

Em 9 de Maio de 2012, o Atlético repetiria a conquista da Liga Europa, no Estádio Nacional de Bucareste, contra o Athletic Club Bilbao, com uma vitória por 3-0, com dois golos de Falcao e um de Diego Ribas.

A final da Supertaça da Europa contra o Chelsea FC, a 31 de agosto de 2012 foi o quinto disputado pela equipa em pouco mais de dois anos. Numa vitória inconstestável por 4-1 sobre o vencedor da Liga dos Campeões, com um hat-trick de Falcao (melhor jogador na final), e o outro golo de Miranda.

No dia 17 de maio, foi conquistada a 10ª Taça do Rei, disputado no Santiago Bernabéu, frente ao Real Madrid, numa partida épica que terminou com uma vitória por 1-2 com golos dos brasileiros Diego Costa e Miranda.

Escreva Um Comentário