Abelhas entram na lista de espécies em extinção e preocupam o mundo

O US Fish and Wildlife Service (FWS), um órgão norte-americano com funções semelhantes às do Ibama, incluiu sete espécies de abelhas na lista de animais em extinção. Com grande importância para polinização das plantas, as abelhas são essenciais para a vida humana, tanto é que cientistas já buscam alternativas para sua ausência.

Se elas sumirem, não é só mel que vai faltar. Isso porque a polinização é responsável pela reprodução de boa parte das plantas e, sem a principal polinizadora, muitas espécies vegetais deixariam de existir também.

Consequentemente, sem essas plantas muitos alimentos que ingerimos sumirão, o que pode restringir nossa alimentação ou até causar caos.

Porém, apesar da seriedade, ainda não estamos próximos desses cenário negativo. Há 25 mil espécies de abelha. e somente sete foram colocadas na lista.

O problema, claro, é a excessiva intervenção humana no meio ambiente. As abelhas em perigo são do Havaí, e a principal hipótese é que a inclusão de espécies de plantas e animais invasores desequilibraram a fauna na região, além da urbanização, o que causa desmatamento.

REDUÇÃO GLOBAL

Apesar de ainda termos um bom número de espécie, criadores de abelhar de todo o mundo têm registrado queda na população do inseto. De 2012 para 2013, 31% das abelhas dos EUA tinham desaparecido; na Europa, naquele período, o número chegou a 53%, e no Brasil, a quase 30%.

Há apenas teorias, ainda não confirmadas, sobre a causa dessa redução. Alguns cientistas acham que é a poluição, outros, os agrotóxicos. Por fim, há aqueles que tentam desvendar o que está por trás da Síndrome do Colapso da Colônia, na qual as abelhas abandonam as colmeias repentinamente.

Foto: Pixabay

Escreva Um Comentário