7 coisas que só as pessoas que apanharam dos pais aprenderam na pele

Crianças e adolescentes que apanharam dos pais sabem que isso não é algo muito bom de se sentir porque causa dor, hematomas e dor. Isto é, não é bom para quem não é masoquista. Mas os pais, essas almas nobres que nos ensinam para a vida, utilizam de recursos, digamos, pouco modernos.

São aqueles castigos com cintadas e “avainas de pau”. Pois então, os pais costumam justifica-las que é para o bem dos filhos. A lógica básica por trás de algo que parece injustificável: é melhor apanhar dos pais do que da polícia.

1- Resistência física

bebê-academia

Sim, seus pais estavam te preparando o tempo todo para a prova do líder do Big Brother. Cada chinelada te ajudou a ficar mais forte, mais preparado para suportar as penalidades causadas pelos erros cometidos.

2- Resignação

crianca_rezando2

São Francisco de Assis já enxergava a resignação como um dom divino “para aceitar o que não pode ser mudado”. E quando não se tem como correr ou fugir do castigo, o jeito é encará-lo resignadamente.

3- “Sentido aranha”

spiderman-1

Quando uma simples brincadeira lhe parece errada o sujeito fica esperto: uma mensagem no subconsciente aparece para ele e avisa que aquilo pode “dar ruim”. Para evitar prejuízos, a pessoa faz o certo e evita a fadiga.

4- Behaviorismo

cndjsvdjuvk4rcg04kkzdui4j

Apanhar é, na prática, uma experiência real da teoria desenvolvida pelo psicólogo americano Burrhus Frederic Skinner, que é o padrão estímulo e resposta. Ou seja, fez merda, logo, apanha.

5- Panoptismo

detetive

O filósofo francês Michel Foucault desenvolveu esse conceito filosófico e social para caracterizar o modelo de nossa “sociedade disciplinar” que vigia, controla e pune. Assim, toda vez que alguém transgridiu as regras das autoridades da família e alguém viu e contou para os pais, o réu pode preparar uma boa defesa para conseguir escapar ou minimizar a punição referente ao crime.

6- Superação

heroi-11

Toda vez que você apanhou, uma dor foi causada ao seu corpo e ao seu psicológico. Mas o que vale não é o que a gente sofreu e, sim, o poder de superação. Por isso, é importante trabalhar os traumas e tornar-se vencedor de si próprio.

7- Sensibilidade

crianca-triste-depressao-infantil-size-598

Bater em alguém é uma atitude violenta que ninguém merece sentir na pele. Então, antes de querer dar uma lição em alguém, a pessoa sensível reflete sobre isso e conclui que violência não é solução, pois perpetua ainda mais a dor. Devido a esta atitude empática, o sujeito que apanhou dos pais não vai perpetuar este tipo de violência ao próprios filhos, pois se educa não pela dor e, sim, pelo amor.

Então, pessoal, gostaram da “pesquisa”? Gostaram dos aprendizados? Quais aprendizados vocês acrescentariam à nossa pesquisa? Comente com a gente que nossos pesquisadores irão amar!

Escreva Um Comentário