10 fatos do futebol americano no Brasil

futebol-americano


Domingo e esportes estão amplamente relacionados por todo o mundo. No Brasil o dia é associado ao futebol. Porém, uma observada mais atenta nas redes sociais revela que os brasileiros estão se apaixonando por outro esporte. Com mais transmissões a cada ano na TV fechada, o futebol americano vai ser tornando uma das paixões do brasileiro. As menções no Instagram, Twitter e Facebook sobre os jogos da NFL vão crescendo ainda mais. E quem acompanha essa onda de crescimento são os times brasileiros, que não param de surgir e aumentar a base de praticantes e, consequentemente, de torcedores.

O surgimento de equipes não é algo recente. Para se ter ideia, desde 2000 existe o Carioca Bowl, disputa entre equipes cariocas de futebol americano de praia. Foi nas areias que surgiram a maioria das equipes brasileiras, mas era preciso dar um passo maior.

Principalmente de equipamentos para que o esporte norte-americano fosse praticado de verdade. Uma conquista lenta, por vários fatores, mas que vai ocorrendo até mais rápida do que o esperado. Graças a esta evolução, o Brasil chegou ao seu primeiro Campeonato Brasileiro unificado neste ano, já que haviam duas competições paralelas. Porém, o caminho não foi fácil e a Red Bull conta um pouco da história desse esporte em terras tupiniquins.

Estes são os dez grandes momentos do futebol americano no Brasil.

1. Primeiro jogo full pads

 futebol-americano1
Brown Spiders © Divulgação

No dia 25 de outubro de 2008, o Brown Spiders e o Barigui Crocodiles (hoje Coritiba) fizeram história. Diante de cerca de 2,5 mil pessoas, as equipes paranaenses jogaram a primeira partida com equipamentos completos do Brasil e os Spiders venceram por 33 a 10. Esta partida foi comentada nacionalmente e serviu de exemplo e inspiração para outras equipes no restante do país.

 

2 – Campeonato Brasileiro de Seleções

Em 2009, vários outros times já haviam comprado equipamentos e mudado o panorama nacional do futebol americano. O problema é que ainda eram muito poucos. Por ser importado e caro, comprar um capacete e um shoulder pad era um pequeno luxo. Sem perspectiva de um campeonato nacional, ficou decidido que aconteceria uma competição entre combinados estaduais. São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Paraíba, Mato Grosso e Santa Catarina foram os estados que viajaram até Sorocaba para o torneio e os paulistas foram os campeões. Nesta primeira competição foi formado o embrião do Torneio Touchdown que foi disputado ainda em 2009. Em 2010, com representantes dos mesmos estados, houve uma segunda, e última, edição da competição, que foi disputada em Curitiba. Na final, os cariocas venceram os paranaenses por 20 a 7.

3 – A criação dos primeiros torneios nacionais

Sao Paulo 13/12/2014 FUTEBOL AMERICANO - Timbó Rex  e  Vasco da Gama Patriotas dicidem o  título do Torneio Touchdown 2014 estádio Ícaro de Castro Melo. Foto Paulo Pinto/Fotos Publicas

Vasco Patriotas, campeã 2014 do Torneio Touchdown © Divulgação

Depois de tanta empolgação com o primeiro torneio de Seleções, os organizadores não poderiam perder a oportunidade de dar o primeiro passo para um Campeonato Brasileiro. Sob a organização de André Adler, narrador de futebol da ESPN por vários anos, e com oito equipes, surgiu o Torneio Touchdown. A competição foi vencida pelo Rio de Janeiro Imperadores, que na final bateu o São Paulo Storm por 14 a 7 e levantaram a primeira taça.

No ano seguinte, surgiu a Liga Brasileira de Futebol Americano (LBFA) após algumas divergências entre equipes e organizadores do Torneio Touchdown. A competição ficou com esse nome até 2012, quando se transformou no Campeonato Brasileiro de Futebol Americano. Em 2014, a Confederação Brasileira de Futebol Americano (CBFA) criou a Superliga Nacional (1ª divisão) e a Liga Nacional (2ª divisão)

4 – O primeiro grande público

 futebol-americano3
Tiago Giordani, do Recife Mariners © Recife Mariners

Qualquer esporte não precisa apenas de vontade dos jogadores e dirigentes. Além de organização, a aceitação do público é mais do que necessária e a prova de que o esporte estava no caminho certo veio em 2011. Diante de 6.500 torcedores, no estádio Couto Pereira, o Fluminense Imperadores conquistou seu segundo título nacional (o primeiro foi o Torneio Touchdown de 2009) ao vencer por 14 a 7. A grande presença de público provou que não havia barreiras para um esporte no qual os organizadores estão focados não apenas na partida, mas sempre em entreter o público da melhor maneira possível.

5 – Jogadores da NFL visitam o Brasil

 futebol-americano4
Equipe AFWB © Divulgação

Em 2014 o futebol americano brasileiro foi olhado de perto por quem está na NFL. A entidade American Football Without Barriers (AFWB), fundado pelos jogadores Breno Giacomini, jogador de Linha ofensiva do New York Jets e filho de brasileiros, Gary Barnidge, tight end do Cleveland Browns, esteve no Brasil para uma sessão de treinamentos com atletas entre 8 e 22 anos. O intuito da organização, que já esteve em países como Turquia, China e Egito, é difundir a modalidade fora dos Estados Unidos. No Brasil, jogadores como DeAngelo Williams, running back do Pittsburgh Steelers, Marshawn Lynch, ex-running back do Seattle Seahawks, Alex Mack, center do Atlanta Falcons, e Barkevious Mingo, linebacker do New England Patriots, foram alguns dos jogadores da NFL que vieram participar do evento.

6 – Cairo Santos na NFL

 futebol-americano5
Cairo Santos © Divulgação

Você lerá várias histórias sobre brasileiros na NFL, mas apenas dois tiveram realmente essa oportunidade. O primeiro foi Maikon Bonani, kicker do Tennessee Titans. Em 2013 e 2014 ele assinou com a equipe da NFL, mas atuou apenas em jogos de pré-temporada e nunca jogou uma partida oficial. Em 2014, Bonani ganhou companhia de outro brasileiro. Cairo Santos, que estudou na Universidade de Tulane, foi eleito o melhor kicker da NCAA (Liga Universitária) em 2012 e começou a chamar a atenção das equipes da NFL. O Kansas City Chiefs o convidou para participar da pré-temporada após ele não ter sido escolhido no draft (seleção de universitários) e o brasileiro ganhou a vaga de titular. Algo inesperado e que o transformou no primeiro brasileiro a atuar de forma oficial na liga norte-americana. Em três anos, Cairo se consolidou na equipe e é o embaixador da NFL no Brasil.

7 – Bola Oval nas Arenas

 futebol-americano6
Bola Oval nas Arenas © Tiago Giordani

Muitos estádios de futebol do Brasil já haviam recebido jogos de futebol americano. Couto Pereira (PR), Almeidão (PB) e Aflitos (PE) são alguns destes exemplos. Porém, após tantas arenas serem construídas para a Copa do Mundo de 2014, era esperado que alguma delas recebesse uma partida de futebol americano. Isso não demorou e a Arena de Pernambuco foi a pioneira. Diante de 7.056 pessoas Recife Mariners e João Pessoa Espectros decidiram a Superliga Nordeste. Passo que foi seguido por outros estádios que sediaram jogos da Copa do Mundo de 2014 como Arena Pantanal, Beira-Rio e Mineirão. O melhor público até hoje é o de Cuiabá Arsenal x Coritiba Crocodiles com 15 mil pessoas na Arena Pantanal.
8 – Onças no Mundial

 futebol-americano7
Brasil Onças © Divulgação

Desde 2007 havia uma Seleção Brasileira de Futebol Americano. As distâncias, falta de apoio financeiro e organização atrapalhavam a evolução, mas ela dava seus primeiros passos. Após realizar alguns amistosos, era a nítido que faltava um algo a mais. Faltava mostrar ao mundo que aqui, se jogava futebol americano de alto nível. Isto ocorreu em 2015. Os Onças, como a Seleção Brasileira é conhecida, venceu o Panamá como visitante por 26 a 14 e garantiu vaga no Mundial, disputado em Ohio naquele mesmo ano. Foram três partidas na competição, sendo duas derrotas (França e Austrália) e uma vitória sobre a Coreia do Sul. Um resultado histórico que deu ainda mais projeção ao esporte.

9 – Elas também jogam

 futebol-americano8
Brasil Onças © Divulgação

Elas não usam capacete ou shoulder pads, mas jogam algo bem similar ao futebol americano. O Flag Football. As regras são um pouco diferente e ao invés do tackle (impedir o avanço do adversário), aqui se puxa uma das duas fitas que cada atleta carrega na cintura para evitar o contato físico. Nesta modalidade, as Onças disputaram o seu terceiro mundial em 2016 e pela primeira vez passaram da primeira fase, algo inédito que lhe deu a sexta colocação na competição disputada em Miami. .


10 – Unificação do Campeonato Brasileiro

 futebol-americano9
Santa Maria Soldiers © Divulgação

Foram necessários sete anos para que finalmente houvesse um Campeonato Brasileiro de futebol americano. Em 2016, a Confederação Brasileira de Futebol Americano, conseguiu um campeonato com 30 equipes, representando 16 estados e o Distrito Federal. Os playoffs começam no próximo dia 22 de outubro e o Brasil Bowl, grande decisão, será no dia 17 ou 18 de dezembro.

 

fonte: http://www.redbull.com/br/pt/stories

Escreva Um Comentário